Reflexões sobre participação e representatividade

A representação se qualifica à medida em que a participação é a garantia de uma boa escolha, é mais eficaz, aumenta a cultura cidadã.

Exercer a cidadania participando de instancias que decidem as politicas públicas ou de organismos que se fazem representar nestes locais é a legitimação de um processo que segue na direção da representatividade qualificada.

A capilaridade de informações que auxiliem a todos entenderem os processos políticos que norteiam a construção de politicas públicas faz com que o cidadão tenha mais instrumentos para decidir por uma representação que garanta seu avanço social, não somente financeiro aliás em nada financeiro mas sim na possibilidade real de transformação da realidade e saída do jugo das classes dominantes.

Vivemos em uma sociedade onde a delegação de poderes e a falta de legitimação com a falta de participação efetiva dos cidadãos, segura os avanços políticos que a constituição de 1988, a “Constituição Cidadã” nos garantiu. Nos damos por satisfeitos somente com o voto e esta atitude não favorece a transformação da sociedade onde as classes dominantes se mantêm tranquilas no poder.

A nossa democracia que é de alta intensidade só não se concretiza pois a nossa educação e civismo é de baixa qualidade, evitamos participar de quaisquer instancia, decisória ou não, e delegamos nosso poder de participação aos nossos representantes que nem sempre têm espirito público ou até mesmo bom senso ou senso de justiça social.

Os Conselhos, as Audiências Públicas, as Conferencias Nacionais e o Orçamento Participativo são as instâncias onde a participação é garantida e por Lei, mas quem são aqueles que participam, em quantas assembléias de orçamento participativo você participou ou sabe quem o fez?

Em sua cidade, se não existem Conselhos, quem já cobrou a criação destes? Você vota em quem não se compromete em criar e fortalecer os Conselhos?

Qual entidade do 3º setor você participa?

Beto Francine

Referencia bibliográfica:

AVRITZER, Leonardo. “Teoria democrática e deliberação pública”. Lua Nova, São
Paulo, v 49: 25-46, 2000.
________ “Sociedade Civil, Instituições Participativas e Representação: Da
Autorização à Legitimidade da Ação”. DADOS – Revista de Ciências Sociais, Rio de
Janeiro, Vol. 50, no 3, 2007, pp. 443 a 464. Disponível em http://www.scielo.br
________ e SANTOS, Boaventura de Sousa. Para ampliar o cânone democrático.
Disponível em http://www.eurozine.com

Anúncios
  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: